Transitivos – Literatura::Fotografia::Desenho.


Se essa rua fosse minha
setembro 4, 2007, 1:04 am
Filed under: Clara Mazini, Leonardo Ramadinha

d_rio_port003.jpg

Foto: Leonardo Ramadinha.
Texto: Clara Mazini.

Cismou que aquela rua tinha nome de poetisa e continuou pensando assim até o final de seu último dia naquela cidade e muito depois.

Mesmo hoje, sem a cidade, a rua ou o nome, ela ainda lembra aquelas calçadas como quem experimenta o melhor dos poemas.

Noturno, aquele caminho abrigava todo o tipo de gente em um abraço largo e lascivo. Pernas para todos os lados da avenida corriam como corre o sangue que ao circular pela artéria de um organismo muito vivo confere a ele a qualidade inevitavelmente pulsante.

E ela pulsava entre putas e punks, entre livros que aguardavam na calçada, no meio de desenhos de todas as cores que em seus segredos revelavam uma parte da cidade que jamais dormia.

E ela ali, misturada aos fumos e gasolina queimada, provando o gosto estranho e doce de caminhar por uma rua de poetisa de todos os tempos; espalhando sempre versos com os olhos pelo simples fato de estar ali.

Prova definitiva de qualquer sentimento extremo, naquela rua tudo parecia reconhecer-se exageradamente infinito dentro de suas possibilidades. Mesmo dentro, o gosto era tão sincero que escorria até manchar todo o corpo de uma vontade louca de ser feliz.

Ainda agora ela insiste – aquela rua foi o poema mais encantadoramente desastroso e por isso mesmo tão verdadeiro. Uma espécie de rascunho tão confortável em seus defeitos que dispensa a idéia de obra-prima.

Uma idéia que, de tão bonita, adia ao máximo a hora de terminar, até se esquecer completamente dela.

Anúncios

12 Comentários so far
Deixe um comentário

Textos incríveis.
Clara tem alma de poetisa e continuarei pensando nisso até o final da última linha. =)
Beijos, amiga.

Comentário por Laura

É de um lirismo fascinante… Como um passeio noturno pela Glória, no trecho “entre putas e punks, entre livros que aguardavam na calçada, no meio de desenhos de todas as cores que em seus segredos revelavam uma parte da cidade que jamais dormia.”
Lindo, Clara! Especial, vivo e real…

Comentário por Vivi

Texto absurdamente limpo e fascinante.
Parabéns!
Adorei tudo por aqui.
Beijos!

Comentário por babi soler

E é com letras como essas que somos levados a um passeio por essa rua, vendo cada um dos rostos e cores, com a poesia das imagens e de palavras. Lindo texto.

Comentário por Renato Alt

“putas e punks”. Adorei esse retrato…
Arrasou, gacta !

Comentário por Caio

Quem de vocês comentou no meu blog? Não foi a Dani pq ela já tinha comentado hehehehe

Comentário por Carolina Domingues

lindo texto!
transformar uma rua em poesia.
é o que agente devia fazer com a vida…

x]

Comentário por Hélder

Como sempre, maravilhoso!
Você tem uma sensibilidade para escrever que me impressiona. ADORO!
Bjss

Comentário por Dani

esse eu já conhecia.. mas não posso me furtar a dizer que é dos meus preferidos…. maria clara é sempre tocante com seus textos/imagens

Comentário por fabrício fortes

faço minhas as palavras do Fabrício. De Clara, sou fã de carteirinha.

Comentário por 4rthur

Parabéns pela sua peculiar forma de escrever. Diferente e muito interessante. Adorei!!!
Visite meu blog quando tiver um tempinho…
Abraço

Comentário por Michele

Na madrugada das grandes cidades todas as ruas são poesias de punks e putas, todas as pessoas que passam são poetas.

Gostei, me senti nas quebradas aqui de Sampa.

Grande Abraço
Paulo DAuria

Comentário por Paulo DAuria




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: